Escrevo-me









É preciso viver dentro de si
E pensar
Penso, penso, penso e penso, logo existo (isso não é meu, mas é como se fosse)
E no momento só me resta escrever, escrever, escrever e escrever
Embora não o saiba fazer, a auto-crítica sempre presente, nunca falta um dia se quer no dia de pensar e escrever, talvez isso seja bom







Voltando:











Estou quase sempre sem papel e caneta
Tento guardar na memória o que foi pensado
Com a certeza de que vou lembrar depois
A memória me trai e não lembro
É sempre assim







Pensamentos me vem








             acho bonito isso
      Essa coisa de pensar BEM







Perco, perco sempre
É como jogar futebol, perco
Quando vou ver, não lembro
Lá se foi o pensamento do pensador
Foi pros ares, levado pelo vento que provávelmente pensa o que pensou o pensador







O ar, o vento ...







Roubam meus pensamentos e podem roubar os seus também
Depois de mais um tempo
Reconheço eles na escrita de outras gentes
Vai ver o vento soprou para outro, o que ouviu do meu pensar
Bandido esse tal de vento que rouba o que pensei e dá de presente para outra gente
Mais bandido é quem pensa o que pensei e pior: Escreve
Ou vai ver, é só conhecidência e eu penso ter pensado o que o outro pensou, como uma espécie de identificação




           bem, isso não importa
                    o que importa é que:








Escrever é tão incrível







Me faz ser do tamanho que não sou







Ultimamente tenho lido coisas tão bonitas
Pessoas que olham o mundo, entendem ele, se entende e mais: Verbalizam
Pessos incríveis e especiais
Invejo elas, Deus que me perdoe, mas é verdade
No entanto tento me entender, entender o mundo...
E escrever sobre, sobre tudo...












Mas eu não sei nada disso meu Deus

1 comentários:

Dahiane disse...

sempre o vento...nos levando aonde não queremos ir e nos afastando cada vez mais do que realmente gostamos... as idas e vindas, encontros e desencontros...mas a vida sempre nos surpreende...

Postar um comentário